Perguntas Frequentes

Aqui você encontra respostas para as perguntas mais frequentes sobre energia solar. Se você não encontrou sua questão, entre em contato conosco! Teremos o maior prazer em respondê-lo!
  • Para aquecimento solar é preciso utilizar coletores solares. O calor dos raios solares aquecem a água que passa dentro dos coletores, e depois,a água fica armazenada em um reservatório térmico

    Para gerar energia elétrica é preciso utilizar módulos fotovoltaicos, que transformam os raios do sol em energia elétrica. As células fotovoltaicas, são feitas de um material que reage a luz do sol,e é conhecido como efeito fotoelétrico. Com essa reação, eles começam a gerar uma baixa tensão semelhante a de uma pilha. Com a utilização de muitas células ligadas em série, a tensão vai se adicionando por cada célula. Isso acontece em módulos fotovoltaicos. Havendo muitos módulos interligados, a tensão vai se adicionando por cada módulo. Isso acontece na planta fotovoltaica. O inversor solar, transforma essa tensâo tipo CC dos módulos para uma tensão tipo AC pronta para ser utilizada.

  • A legislação brasileira não permite que você venda a energia que não consumiu. Porém, no sistema de compensação, é permitido que a energia excedente que você produziu seja injetada na rede da concessionária. Dessa maneira você acumula créditos de energia, que são utilizados a noite e podem ser consumidos em até cinco anos.

  • A principal vantagem econômica da energia fotovoltaica é o rápido retorno do investimento, com uma taxa interna de retorno bastante atrativa, visto que a partir do primeiro dia de funcionamento da usina você já começa a economizar dinheiro. Outras vantagens é que você mantém o custo da sua energia, não sofre com aumentos de tarifas, o custo médio da energia gerada num sistema fotovoltaico é de R$ 0,35 por kwh/mês, nas concessionárias aproximadamente R$ 0,80 o Kwh/mês, você vai gerar energia por 25 anos.

  • Sim. O sistema Fotovoltaico não precisa de um dia ensolarado para gerar energia. Depende da incidência de radiação solar, a produção em dias nublados pode ser até maior.

  • Sim a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) já publicou duas Resolução Normativa, a Nº 482 de 19 de abril de 2012, que foi revisada pela Resolução Nº 687, em Novembro de 2015.

  • Faz parte do processo realizarmos uma visita técnica ao local para definir se necessitará alguma obra civil. A instalação é bastante rápida e limpa. Instalamos uma estrutura metálica para fixação dos painéis e levamos os cabos protegidos para o local dos equipamentos periféricos.

  • As placas de energia solar são utilizadas em residências como forma de economia de energia, a ANELL regulamentou estas instalações residencial que viabiliza o investimento através do sistema de compensação energético. Portanto, hoje já é permitido e viável a instalação de um sistema fotovoltaico residencial.

  • A busca por iniciativas sustentável por parte das empresas é grande. Como a tecnologia é relativamente nova no Brasil e a popularização no futuro é inevitável, a instalação hoje de um sistema solar, além de atrair a atenção da mídia, pode ser utilizada para a geração de material publicitário e campanhas de marketing, o que trazem retornos consideráveis, além da economia gerada através do sistema de compensação energético da resolução normativa aprovada pela ANEEL. Além de ser um investimento de baixo risco de retorno uma vez que você só vai depender da radiação solar para ter o retorno.

  • Existe o sistema autônomo, onde o armazenamento da energia que é feito por baterias. Esse tipo de sistema é recomendado para locais onde não há rede elétrica, como fazendas e zonas rurais . Em zonas urbanas, a viabilidade financeira indica um sistema conectado a rede.

  • As usinas hidrelétricas diminuem sua capacidade de produção com a falta de agua quanto mais sistemas instalado gerando energia menos o governo terá que investir em novas usinas. O silício e a luz solar, que gera a energia fotovoltaica, não produz resíduos. Por este motivo é considerada uma fonte de energia limpa ou ecológica, além disso, a radiação solar é abundante e inesgotável. Ou seja: é uma solução energética sustentável.

  • É muito comum as pessoas pensarem que a energia solar fotovoltaica servirá de backup (reserva) caso quedas de energia aconteçam. Este é um pensamento equivocado. Os inversores funcionam de forma sincronizada com a rede elétrica e dependem dela para funcionar. Esta é inclusive uma medida de segurança para não ferir técnicos de manutenção que desligam a rede para efetuar um reparo.

  • Não, você pode utilizar a fiação elétrica já existente da sua casa ou empresa, bem como o seu telhado ou laje para fixação dos painéis. A concessionária deverá trocar o relógio de força por um relógio bidirecional. Caso você ainda não tenha construído sua casa ou empresa, o ideal seria que o telhado fosse voltado para a linha do equador (ou Norte, na maior parte do Brasil) para melhor aproveitamento da energia solar.

  • A energia elétrica é gerada a partir da interação entre o silício cristalino e a luz solar que gera a liberação de elétrons para a corrente elétrica, e este processo é silencioso.

  • Os painéis fotovoltaicos que devem ser instalados em posição e altura determinadas de acordo com a localização da construção. Além disso, é necessário calcular a quantidade de energia demandada. Os inversores para transformar a corrente elétrica direta em alternada,  Placa Solar, Inversor Solar, Estrutura de Fixação das placas solares, cabeamentos e conectores específicos, outros materiais elétricos como disjuntores, etc.

  • Sim, a energia solar fotovoltaica tem os mesmos usos que a energia elétrica convencional. No entanto, é necessário um projeto de instalação de painéis condizente com a demanda e a finalidade de consumo.

  • Não. Por isto, a energia solar fotovoltaica é considerada uma energia limpa.

  • A eficiência do sistema solar fotovoltaico depende, sim, da quantidade de luz recebida. Porém, mesmo em dias nublados há radiação mais do que suficiente para a geração de energia. Além disso, em localidades com condições climáticas piores, o sistema pode ser potencializado aumentando-se a superfície de contato (com painéis fotovoltaicos maiores). No Brasil, todas as regiões apresentam ótimas condições climáticas.

    Como a energia produzida durante o dia fica armazenada em baterias, o abastecimento de energia é garantido também durante a noite.

  • O sistema solar fotovoltaico chamado off-grid é aquele que não está conectado à rede elétrica convencional.O on-grid é o sistema solar fotovoltaico conectado à rede elétrica. Ele pode abastecer edificações completas ou apenas algumas de suas instalações. Em muitos países onde o sistema on-grid é amplamente utilizado, como Alemanha e Espanha, é possível que o proprietário venda o excedente da eletricidade produzida por seu sistema fotovoltaico para a concessionária de energia, o que gera ainda mais economia.

  • Sim, hoje com o avanço e popularização do sistema já existe alguma linha de financiamento.

    A Caixa Econômica Federal passou a aceitar projetos de energia solar em sua linha de crédito Construcard, destinada para a compra de material de construção. Com uma taxa de juros em torno de 1,95% ao mês, o projeto pode ser parcelado em até 240 vezes. O financiamento está disponível para pessoas física e jurídicas.

    Através do Santander Finaciamentos o banco disponibiliza crédito para a instalação de sistemas fotovoltaicos com um parcelamento de até 60 vezes. Disponível para pessoas física e jurídica (correntistas e não correntistas), a taxa de juros varia de acordo com os valores, prazos e demais condições escolhidas pelo beneficiado.

    O BNDS voltado para grandes projetos de energia solar, a linha de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social       (BNDS) disponibiliza até 80% do custo da obra com uma taxa de juros de 7,5% ao ano. O investidor é obrigado a ter uma participação mínima de 20% nos custos com possibilidade de emissão de debêntures (título de crédito representativo de empréstimo que uma companhia faz junto a terceiros), das quais o BNDES se compromete a adquirir até 50%.

    O Banco do Nordeste abriu uma linha de financiamento específica para projetos de micro e minigeração de energia solar. O FNE Sol está disponível para empresas, produtores rurais, cooperativas e associações dos estados nordestinos, além do norte de Minas Gerais e do Espírito Santo. Com um prazo de pagamento de até 144 meses, o FNE Sol financia até 100% do custo da obra.

    O programa DESENVOLVE SP com o intuito de reduzir 20% das emissões de CO2 de São Paulo até 2020, o governo estadual criou a Linha de Finaciamento Economia Verde, que inclui o financiamento de sistemas fotovoltaicos. Voltado para pequenas e médias empresas da região, o pagamento pode ser parcelado em até 120 vezes com uma taxa de juros de 0,53% ao mês.

    Temos também uma linha de credito do PRONAF, há a linha de financiamento governamental “Mais Alimentos”, do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Voltada para pequenos agricultores, a linha inclui o financiamento de sistemas fotovoltaicos de até R$ 300 mil. Com uma taxa anual entre 2,5% a 5,5% anuais, o agricultor só começa a pagar após 36 meses da aquisição do crédito.

  • No Brasil, o potencial de energia fotovoltaica é imenso, dados seus altos índices de radiação solar. Atualmente, os governos e as concessionárias de serviços públicos são os principais investidores, utilizando painéis fotovoltaicos em sinalização e fiscalização rodoviárias, iluminação pública, telecomunicações e outros. O projeto federal Luz Para Todos, que visa levar energia elétrica para comunidades isoladas e carentes, também faz amplo uso da energia fotovoltaica.

    No entanto, os sistemas fotovoltaicos on-grid ainda são uma grande novidade. Um dos principais obstáculos têm sido o custo de compra e instalação dos painéis que já está sendo ultrapassado graças ao avanço da tecnologia, que tem reduzido o custo e aumentado a eficiência dos painéis fotovoltaicos. A boa noticia no setor é que a ANEEL aprovou a resolução normativa que permite ao consumidores em baixa tensão, seja residencial, comercial, industrial, ou rural, o investimento em um sistema fotovoltaico que seja capaz de suprir parte ou toda sua demanda por energia elétrica. O retorno financeiro sobre esse tipo de sistema vem através da economia na conta de luz que é diretamente relacionada ao percentual de energia gerado pelo consumidor.

    As oportunidades de iniciação de frentes de negócios na indústria fotovoltaica brasileira são diversas e estão abertas a todos aqueles que desejam começar uma atividade na área de energias renováveis. A tecnologia fotovoltaica está representada por uma indústria em franco crescimento global e a utilização de sistemas fotovoltaicos esta se tornando predominante em países desenvolvidos e em desenvolvimento. Isso acontece, pois as fontes de energia suja estão cada vez mais restritas e, com o crescimento das economias emergentes, a tecnologia fotovoltaica surge como excelente alternativa de expansão da capacidade de geração de energia elétrica.